Câncer de Pulmão: um cigarro a menos pode fazer toda a diferença!

O câncer de pulmão pode ser definido como um tumor maligno que tem início em um dos pulmões. No Brasil são diagnosticados mais de 150 mil casos por ano. Sendo que, em média, a taxa de sobrevida após o diagnóstico é de apenas 5 anos.

Apesar de ser um dos tumores malignos mais comuns do mundo, o câncer de pulmão é potencialmente evitável. O tabaco é o maior vilão da história, cerca de 90% dos pacientes são fumantes ou ex-fumantes. E os homens são ainda mais afetados do que as mulheres.

Mas, como ocorre o câncer de pulmão?

câncer de pulmãoAssim como em outros tipos de câncer, primeiramente as células devem ser expostas a fatores de risco, por exemplo o tabaco. Essa exposição vai provocar uma série de mutações gênicas em células saudáveis, fazendo com que elas passem a se multiplicar descontroladamente. É, então, formado um aglomerado de células “anormais”, o tão temido câncer.

Outro fator que podo ocorrer, são algumas células anormais se soltarem do tumor inicial e, começarem a se multiplicar em outras partes do pulmão ou em outros órgãos do corpo, gerando metástases.

O cigarro possui, nada menos, do que 4 mil produtos químicos dos quais 60 são agentes carcinogênicos. Quando a pessoa é fumante o seu pulmão fica inundado por estes agentes carcinogênicos, que aos poucos, vão provocando lesões nas células internas deste órgão – a exposição a fatores de risco.

Inicialmente a nossa capacidade de regeneração celular dá conta do recado, mas conforme a pessoa permanece fumando as células não são mais capazes de se regenerar e surgem alterações permanentes, levando ao processo cancerígeno.

O tipo de cigarro faz diferença?

Cigarros, charutos, cachimbos, “palheiros”, não importa! Definitivamente qualquer tipo de substância que contenha tabaco pode aumentar potencialmente suas chances de adquirir este mal. Acredite ou não, até mesmo a goma de mascar com tabaco.

Além disso, a quantidade de unidades fumadas por dia (carga tabágica) e, o período de tempo que você permanece fumante também contribuem, e muito, para propagação da doença.

Quanto aos fumantes passivos, tomem cuidado! O tabagismo passivo aumenta em 25% a chance de um indivíduo desenvolver câncer de pulmão, se comparado a alguém que nunca fumou.

Somente o tabagismo leva ao câncer de pulmão?

Infelizmente não! Ele é sim o maior agente cancerígeno, mas existem outros fatores de risco:

câncer de pulmão

  • Exposição a agentes químicos, como asbesto, arsênio, amianto, cadmio, cromo ou sílica.
  • Inalação de quantidades exacerbadas de poeira e poluição.
  • Histórico familiar (fatores genéticos).
  • Sistema imunológico fragilizado ou pacientes com outros tipos de cânceres.

Mas nem de longe esses outros fatores são tão preocupantes quanto o tabagismo ativo ou passivo.

Quais os sintomas do câncer de pulmão?

O câncer de pulmão apresenta sintomas semelhantes aos de outras doenças do trato respiratório. Além disso, a gravidade dos sintomas pode estar relacionada ao grau de desenvolvimento da doença. Por isso mesmo, dificilmente ele é diagnosticado nas fases iniciais.

Os pacientes podem apresentar:

  • Tosse (com ou sem sangue)
  • Chiado no pulmão
  • Insuficiência respiratória
  • Dores no tórax
  • Dificuldade de deglutição
  • Emagrecimento repentino e falta de apetite
  • Fadiga
  • Dores de cabeça, nos ossos e nas articulações
  • Enjoos e vômitos (com ou sem sangue)

Como é feito o diagnóstico e quais são os tratamentos indicados?

Se você está exposto a qualquer um dos fatores de risco deve ficar ligado nos sintomas! Como já foi dito, por serem semelhantes aos de outras doenças, muitas vezes as pessoas os ignoram e perdem a chance de um diagnóstico precoce.

Os exames mais usados para confirmar a doença são: radiografia simples do tórax, tomografia computadorizada, tomografia por emissão de pósitrons (PET-TC), cintilografia óssea e broncoscopia. E, no caso de aparecer alguma alteração em qualquer um deles, biópsia pulmonar [com agulha ou cirúrgica].

O tratamento do câncer de pulmão é bastante maçante, ele exige toda uma equipe de especialistas, como oncologistas, cirurgiões, radiologistas, enfermeiros, fisioterapeutas, etc. Somando-se a isso, somente 10-20% dos pacientes são candidatos a cirurgia de retirada completa do tumor, e, ainda assim, nem todos se recuperam completamente.

Os tratamentos comumente utilizados para combater este mal, melhorar a qualidade de vida ou aumentar as chances de sobrevida são: radioterapia, quimioterapia, combinação de radio e quimioterapia e, em casos de metástase podem ser incluídas medicações orais [terapia alvo].

Como se prevenir desta doença?

Talvez essa seja a pergunta primordial. E sua resposta é bastante óbvia: evite qualquer tipo de tabagismo. Ou seja, pare de fumar! Caso você não seja fumante, fuja deles. Como já foi dito, o tabagismo passivo também oferece riscos.

Se você fuma, faça acompanhamentos médicos frequentemente para que o câncer não seja diagnosticado tardiamente.

Existem evidências que suplementos de betacaroteno em fumantes intensos podem diminuir o risco do câncer de pulmão, principalmente para os que consomem mais de dois maços por dia. Porém, nenhum método é mais eficaz que o abandono do vício.

Você sabia que, juntando-se ao câncer de pulmão, o tabagismo é responsável por mais aproximadamente 50 doenças? Incluindo cânceres na boca, faringe, laringe e esôfago.

Só aqui no Brasil, o hábito de fumar provoca 200 mil mortes por ano, são 23 pessoas mortas por hora (impressionante né?!). Assim, abandonar o cigarro pode ser uma das melhores decisões que você já tomou na vida, não somente pelo câncer de pulmão, mas pela sua saúde e disposição física no geral. Não deixe para amanhã, um cigarro a menos pode fazer toda a diferença!

Gostou do artigo? Curta e compartilhe. Quer dividir mais alguma informação importante sobre o assunto? Deixe seu comentário.

Como tratar a acne com soluções caseiras

A acne é uma doença da pele resultante da inflamação das glândulas sebáceas, muito comum em nosso meio. Essa doença é tão comum que chega a afetar 80% dos adolescentes, além de um grande número de adultos. Você sabe como tratar a acne em casa?

Sabendo das dificuldades em encontrar tratamentos eficazes na luta contra a acne, nós vamos falar neste artigo sobre algumas soluções caseiras que podem trazer resultados muito satisfatórios em favor de uma pele livre dessas inflamações.

Por isso, acompanhe-nos até o final e saiba como tratar a acne em casa, com receitas baratas e fáceis de fazer.

O que é a acne

como tratar a acne

A acne é o resultado de uma desordem com as glândulas sebáceas da pele, localizadas nos folículos pilosos, que provocam uma obstrução dos poros. Essa obstrução é causada tanto pelo sebo quanto pelas células mortas, colonizando bactérias que provocam tal inflamação.

Assim sendo, as glândulas acabam secretando uma substância oleosa com um aspecto seboso, proporcionando um aspecto visual bem desagradável. A principal área afetada é o rosto, mas também pode ocorrer no pescoço, peito e costas.

Na verdade, a acne engloba tanto os cravos quanto as espinhas, que podem evoluir resultando em cicatrizes muitas vezes irreversíveis. Quando em graus mais avançados, podem ainda evoluir para cistos ou nódulos.

Assim sendo, tratar a acne é fundamental para evitar o surgimento das cicatrizes ou outras consequências que possam surgir com o decorrer do tempo. Por isso, quanto mais cedo a acne for tratada, mais fácil será o seu processo de cura.

Embora os adolescentes sejam os que mais sofrem com a acne, adultos também têm apresentado os mesmos problemas. Mas engana-se quem pensa que a acne é uma doença que afeta apenas as mulheres. Os homens também têm sido vítimas desse mal e são, inclusive, mais suscetíveis a desenvolver os graus mais elevados da doença.

As causas da acne

Embora causas específicas da acne não sejam conhecidas, existem alguns fatores facilitadores da doença. Um deles acontece logo na puberdade, quando nosso corpo começa a produzir os hormônios femininos e masculinos, que estimulam a produção de sebo pelas glândulas sebáceas. Por isso é tão comum o surgimento da acne logo no início da puberdade.

Além disso, também existem os fatores genéticos que também podem ser causas da doença.

Como identificar a acne

Para você saber como tratar a acne, é muito importante observar a forma como ela se manifesta. Ela pode ser identificada com o surgimento de cravos pretos, que é o resultado da obstrução dos poros pelas células mortas. Já os cravos brancos são o resultado do acúmulo de células mortas e sebo, que bloqueiam os poros formando uma película.

Há também as espinhas que surgem pelo excesso de óleo, que acaba bloqueando os poros e aumentando a proliferação de bactérias. O aumento dessas bactérias resulta na inflamação que irá provocar o inchaço local, vermelhidão e até mesmo o surgimento de pus. E quando a inflamação atinge um grau maior, ela resulta nas temidas cicatrizes permanentes.

A acne e o aspecto emocional

Um dos grandes problemas decorrentes da acne é a baixa autoestima. Isso, porque muitas pessoas que sofrem com os problemas mais avançados da acne acabam tendo reações emocionais devido à aparência que pode se tornar comprometida.

Com isso, existe um grande número de pessoas com problemas de autoimagem, além de desenvolverem sérios quadros de estresse e ansiedade. Além disso, há também os casos de bullying, que também é muito comum principalmente entre os adolescentes.

Como tratar a acne em casa

Por mais avançada que esteja a medicina, uma das perguntas mais comuns nos consultórios dermatológicos é: como tratar a acne de uma forma eficaz e definitiva? Para isso, vamos ensinar algumas receitas caseiras que podem dar resultados incríveis no tratamento contra a acne.

É importante que os procedimentos a seguir sejam feitos diariamente ou, no mínimo, 3 vezes por semana. Escolha um deles e comece o seu tratamento caseiro hoje mesmo.

Casca de banana

A casca de banana é um poderoso remédio caseiro para o tratamento da acne. Isso, porque ela é rica em potássio e antioxidantes que são capazes de reduzir drasticamente as irritações da nossa pele.

Para isso, pegue um pedaço da casca da banana e esfregue a parte interna na área afetada. Esfregue por 3 a 5 minutos e descarte a casca. Feito este processo, espere alguns minutos e enxague com água morna. Repita diariamente ou, no mínimo, 3 vezes por semana.

Arroz e mel

Faça uma mistura triturando 2 colheres de sopa de arroz cozido (deixe ficar empapado) com 1 colher de sopa de mel. Passe essa mistura na área afetada e deixe agir por 15 a 20 minutos. Lave em seguida com água morna.

Máscara de mel e canela

Faça uma mistura com 1 colher de sopa de mel, 1 colher de chá de canela em pó, 1 colher de café de bicarbonato de sódio e água até o ponto de pasta. Aplique na área afetada e deixe agir por 15 a 20 minutos. Lave em seguida com água morna.

Bicarbonato de sódio

O bicarbonato de sódio possui ação anti-inflamatória e antisséptica, atuando como um esfoliante natural. Ele também ajuda a regular o pH da pele, por isso é um excelente remédio contra a acne. Para isso, misture 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio com água até o ponto de pasta. Aplique na região afetada fazendo massagens circulares. Lave em seguida com água morna.

Quebrando tabus

  • A acne não é causada por uma falta de higiene
  • O surgimento da acne pode ocorrer na fase adulta
  • Abalos emocionais, de fato, acontecem como consequências da aparência comprometida
  • Não há provas de que o chocolate provoque a acne

E então, já sabe como tratar a acne em casa de uma maneira simples e eficaz? Pois se você gostou do nosso artigo, não deixe de compartilhá-lo com seus amigos nas redes sociais. Assine também a nossa lista de e-mail e receba em primeira mão os nossos artigos.

5 dicas de tratamentos para amenizar rugas e linhas de expressão

amenizar rugas e linhas de expressãoUm erro bastante comum entre as pessoas na juventude é a falta de cuidados com a pele. Infelizmente, nos esquecemos de que com o passar do tempo, machas, rugas e linhas de expressão vão surgindo em nosso rosto.

Estes sinais de envelhecimento preocupam especialmente as mulheres, que após os 30 anos passar por transformações cutâneas. Os principais inimigos do rosto das mulheres são as rugas e linhas de expressão.

O que são rugas?

As rugas ou rugas estáticas são aquelas linhas que permanecem marcadas em nosso rosto, mesmo quando não estamos fazendo nenhum movimento ou expressão (como sorrir ou franzir a testa, por exemplo).

O que são linhas de expressão?

Já as linhas de expressão são aquelas marcadas causadas quando fazemos alguma movimentação no rosto, como sorrir. Elas são causadas pela movimentação da musculatura do rosto.

A diferença dela para as rugas e que, em uma pele saudável e hidratada, quando o movimento do músculo termina, a pele volta ao seu normal, sem deixar qualquer marca. Vale lembrar que o que mantém a pele bonita é a sua elasticidade e hidratação.

Para manter a pele bonita e jovem por mais tempo, é necessário fazer muito mais do que simplesmente hidratá-la e fazer uso de filtros solares. Mas, se você já passou dos 30 e percebeu que sua pele já está sofrendo com alguns sinais, nós vamos trazer os 5 tratamentos voltados para amenizar as rugas e linhas de expressão. Confira!

Tratamentos para Amenizar Rugas e Linhas de Expressão

Aplicação de botox:

Conhecida também como toxina botulínica, o botox é um dos melhores procedimentos cirúrgicos quando se trata de suavização de rugas e linhas de expressão.

Isso porque o botox atua no impedimento da contração exagerada da musculatura, deixando-a mais suave. Este é o tratamento queridinho de muitas mulheres, pois ele reduz bastante as linhas de expressão, além de tratar rugas estáticas da face.

Tratamento a Laser:

O tratamento a laser também é bastante comum entre as mulheres adeptas de procedimentos cirúrgicos, pois ele traz excelentes resultados.

Além de tratar as linhas de expressão, o tratamento a laser reduz as rugas estáticas e melhora a flacidez da pele, deixando-a com um aspecto mais saudável e elástico. Um dos tratamentos voltados ao laser mais procurados é o Laser de CO2 Fracionado.

Aparelhos de infravermelho e radiofrequência:

Este tratamento consegue estimular a produção de colágeno no rosto e suaviza bastante a flacidez da cútis. O grande benefício deste tratamento com aparelhos infravermelhos e radiofrequência é a sua aplicação indolor, pois ela não produz nenhum tipo de furo ou corte na pele. Além disso, ela tem uma ótima durabilidade, que pode levar até dois anos.

Tratamentos diários:

Os tratamentos diários nada mais são do que os cuidados essenciais para com a pele durante todos os dias, incluindo os períodos de dia e noite. Continue fazendo o uso de filtros solares e cremes hidratantes, além de produtos antioxidantes, cremes antirrugas (os famosos antiidades), ácidos desenvolvidos especificamente para o rejuvenescimento) etc.

É válido lembrar que beber bastante água também auxilia na hidratação da pele, bem como na sua elasticidade. Quando mais hidratada a pele, mais ela produzira colágeno e elastano. Uma boa dieta também traz excelentes benefícios à estética da pele e ajuda na prevenção de novas rugas e linhas de expressão.

Ginástica facial:

Assim como qualquer músculo do corpo, os músculos do rosto também necessitam ser trabalhados e estimulados, a fim de prevenir o surgimento das rugas e linhas de expressão, e até mesmo para suavizar aquelas existentes. A ginástica fácil é um ótimo tratamento alternativo para as mulheres que desejam fugir de intervenções cirúrgicas.

Lúpus: doença em que o paciente é atacado por seus próprios anticorpos

Lúpus Eritematoso SistêmicoImagine-se em um animado passeio de barco com dezenas de amigos, no meio do oceano. Até que, sem qualquer explicação, eles se voltam contra você em uma espécie de surto coletivo e tentam te jogar em alto mar. A analogia serve para explicar o que acontece com o sistema imunológico de quem tem Lúpus.

Considerada uma das doenças autoimunes mais frequentes, o Lúpus pode ser comparado a uma espécie de motim dos anticorpos de uma pessoa contra o seu próprio organismo. A doença se manifesta quando as células que deveriam atuar na defesa contra vírus, bactérias e outras ameaças externas passam a atacar a pele, o sangue e os órgãos saudáveis do paciente.

Neste artigo você irá conhecer mais sobre o Lúpus, seus sintomas e tratamentos:

Lúpus é mais frequente em mulheres

Também conhecido em sua forma clássica como Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), o Lúpus é uma doença crônica, não contagiosa, que afeta majoritariamente as mulheres adultas. Estima-se que de cada 10 pacientes nove são do sexo feminino.

As causas da doença ainda são desconhecidas pela Medicina, mas acredita-se que a maior incidência de mulheres esteja diretamente ligada à produção do estrógeno. O hormônio feminino, produzido em larga escala durante a idade reprodutiva, enfraquece o sistema imunológico.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, uma a cada 1700 mulheres no Brasil tem Lúpus. No país, já são mais de 65 mil pacientes com a doença.

Como o Lúpus se manifesta

A extensa gama de sintomas que o paciente de Lúpus apresenta é um fator que dificulta o seu diagnóstico. A doença é progressiva, intercala períodos de atividade com fases de latência, e pode ser facilmente confundida com outras enfermidades.

Muitos pacientes se descobrem com Lúpus após apresentarem sintomas como febre baixa persistente, dores articulares, cansaço, tosse seca, perda de apetite, emagrecimento repentino e até perda de cabelo.

Para fechar o diagnóstico com segurança, o médico precisa eliminar hipóteses e combinar a anamnese clínica com alguns exames laboratoriais. Um sintoma clássico do Lúpus é o aparecimento de manchas em forma de asa de borboleta, principalmente sobre as bochechas e nariz. Mas nem todos os pacientes apresentam manchas.

Conheça os sintomas mais frequentes:

Manchas na pele:

  • Cerca de 80% dos pacientes apresentam manchas na pele. A mancha mais clássica da doença tem a forma de asa de borboleta e toma as bochechas e nariz, como mostra a foto deste artigo.
  • Outras manchas podem surgir pelo corpo provocadas por uma sensibilidade extrema à claridade e à luz solar.

Dor articular intermitente:

  • Podem ocorrer dores, inchaços e até inflamações como tendinites que vão e voltam, principalmente nas articulações da mãos, punhos, joelhos e pés.

Tosse seca e falta de ar:

  • O Lúpus pode provocar tosse seca, falta de ar e até palpitações e dores no peito. Isso ocorre quando os anticorpos atacam as membranas que revestem o coração e o pulmão provocando inflamações como a pericardite e pleurísia.

Anemia:

  • Quando há o ataque de anticorpos às hemácias, no sangue, é comum ocorrer diminuição de glóbulos vermelhos com consequente anemia. Nesse caso o paciente de Lúpus pode apresentar palidez e cansaço além do normal.
  • O comprometimento do sangue também pode provocar queda de plaquetas e dos glóbulos brancos.

Inflamação renal:

  • Essa é uma das manifestações do Lúpus que mais preocupam os médicos. Estima-se que metade dos pacientes apresentem algum grau de comprometimento renal, muitas vezes só detectado por meio de exames laboratoriais. Se não tratada, a infecção pode evoluir para quadros mais graves de insuficiência renal.

Alterações de humor:

  • Tidos como sintomas menos comuns. Ocorrem quando o Sistema Nervoso Central é atacado, podendo haver alterações de humor, convulsões e psicoses e depressões.

Tratamento de Lúpus busca remissão da doença

A ciência ainda não descobriu uma cura para o Lúpus e nem conseguiu explicar o que provoca a doença. Acredita-se que ela possa ser de origem genética. Assim, a pessoa que já tenha uma predisposição acaba tendo sua atividade deflagrada a partir de fatores ambientais, hormonais, e até por reações a alguma outra doença ou ao uso de medicamentos.

Apesar de não haver uma cura, os avanços já permitem um controle monitorado da doença por meio de corticoides e imunossupressores, que são administrados em maior ou menor dose dependendo da fase em que a doença se apresenta.

O desafio é detectar de forma precoce quando um novo ciclo de atividade se inicia, para controlá-lo antes que ele evolua para quadros infecciosos mais graves. O tratamento busca manter a doença em fase de remissão, que é quando os sintomas não se manifestam e se procura reduzir a dosagem de remédios.

Cuidados básicos para quem tem Lúpus:

  1. Proteção solar – Pacientes de Lúpus devem usar protetor solar e evitar exposição ao sol e raios ultravioleta, mesmo em dias nublados. Essa exposição pode deflagrar um novo ciclo ativo da doença, provocando inclusive inflamações em órgãos internos.
  2. Anticoncepcionais – Às pacientes, recomenda-se não utilizar pílulas anticoncepcionais com estrógeno, que podem provocar a depressão do sistema imunológico
  3. Atividade física e alimentação – Ter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física é fundamental para qualquer um. Mais ainda para quem tem Lúpus. Ajuda a diminuir o cansaço do paciente e evita o colesterol alto no sangue.

Avanços em tratamentos e campanhas

Hoje, pacientes de Lúpus já conseguem ter uma rotina praticamente normal, com expectativa de vida semelhante ao resto da população. As pesquisas avançam no desenvolvimento de imunobiológicos que atuam em partes específicas. Por outro lado, os tratamentos já não adotam o uso de cortisona em doses tão altas quanto antes. Com isso, os pacientes têm muito menos riscos de efeitos colaterais como catarata, osteoporose e diabetes.

Como a doença é silenciosa, tem sido também cada vez mais comum o lançamento de campanhas de esclarecimento, contando inclusive com a participação de famosos que sofrem de Lúpus. As cantoras Lady Gaga, Selena Gomes e, no Brasil, a apresentadora Astrid Fontenelle estão entre as que se já declararam publicamente como pacientes do Lúpus.

Este artigo foi útil para você? Compartilhe, deixe um comentário abaixo ou uma sugestão de outro tema que você gostaria de encontrar aqui no Caminhos da Saúde.

Fibromialgia: entenda a síndrome da dor crônica que tirou a cantora Lady Gaga do Rock in Rio

No dia 14 de setembro de 2017, o Brasil foi pego de surpresa com o anúncio de que a cantora americana Lady Gaga não se apresentaria no Rock in Rio, por conta de uma crise de Fibromialgia. Mas que doença é essa?

Fibromialgia: o pesadelo da dor crônica disseminada

Por muitos anos, pessoas que sofriam de Fibromialgia foram mal interpretadas e até discriminadas. Sentiam dores agudas e crônicas sem a existência de qualquer lesão ou infecção. Queixavam-se de cansaço e fadiga extrema, mesmo após uma noite inteira de sono. Não raro, eram tratadas como pacientes de alguma síndrome psicológica. Como se a dor que sentiam fosse fruto de sua imaginação.

Nas últimas duas décadas, os avanços da Medicina ajudaram a compreender melhor essa síndrome. Hoje, sabe-se que o paciente de Fibromialgia sofre de um distúrbio neurológico que potencializa a sua dor.

Neste artigo vamos explicar como a Fibromialgia age, seus sintomas e tratamentos:

Pacientes de Fibromialgia dizem que a dor não passa

Os relatos de pacientes que sofrem com a Fibromialgia convergem sempre para uma dor generalizada, que nunca passa.

Apesar de mais comum entre adultos entre 30 e 55 anos, ela também pode acometer crianças, adolescentes e até idosos. É o caso de dona Maria Joana Pontes, de 84 anos:

“É uma dor horrível. E às vezes você não consegue nem localizar onde está doendo. Você dorme e não acha que dormiu. Todo dia eu levanto cansada e me pergunto: será que eu dormi? ”, revela Dona Maria, em depoimentos ao portal do Estado de Minas.

Confira os principais sintomas da Fibromialgia:

  • Dor generalizada e crônica em todo o corpo
  • Hipersensibilidade ao toque e a abraços
  • Cansaço, sonolência, fadiga extrema
  • Falhas de memória e dificuldade de concentração
  • Dores abdominais, queimações e formigamentos
  • Dor ao urinar e dor de cabeça
  • Tendência a ansiedade e depressão

Diagnóstico de Fibromialgia é clínico

Até hoje não existe um exame específico para confirmar a Fibromialgia. De acordo com Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), para diagnosticá-la, o médico deve avaliar os sintomas, contar com sua experiência e trabalhar para descartar outras enfermidades.

Protocolos medem intensidade da dor

A fibromialgia costuma surgir após um trauma físico ou psicológico. Começa como uma dor intensa que vai se alastrando até tomar todo o corpo e não sumir mais.

Existem alguns protocolos e perguntas que medem pontos de dor no corpo, a frequência e intensidade com que elas ocorrem. Isso ajuda o médico a fechar o diagnóstico.

As dores costumam atingir os músculos e articulações de forma crônica e disseminada. Por isso, muitos pacientes chegam a ser investigados por suspeita de artrose ou algum outro tipo de doença degenerativa.

Fibromialgia é uma disfunção neurológica

Hoje sabe-se que a Fibromialgia é uma síndrome que atua diretamente nos neurotransmissores responsáveis pelo processamento da dor no cérebro.

Por algum motivo que a ciência ainda não sabe explicar, em quem tem a síndrome, a quantidade de neurotransmissores responsáveis pela dor é maior. Com isso a pessoa acaba tento um estímulo à dor muito acima do normal.

Pacientes podem ter depressão e ansiedade

Como a dor constante persiste por meses ou anos, quem sofre acaba aprendendo a conviver com ela. Já para quem está de fora, pode parecer que há um exagero nas constantes reclamações. Por isso é comum que pacientes sofram também de depressão e ansiedade.

“Parar de doer totalmente, jamais. Mas a gente se acostuma. Do pescoço pra baixo dói tudo. Principalmente as pernas e a coluna. Muitas pessoas olham pra mim, que tenho uma boa estatura e um corpo forte, e acham que é desculpa para não trabalhar”, lamenta Jorge Luiz Dutra, de 59 anos.

 Alguns fatores podem piorar os sintomas:

  • Estresse emocional
  • Alguma infecção
  • Falta de exercício físico
  • Excesso de exercício físico
  • Exposição ao frio
  • Sono ruim
  • Trauma emocional ou físico

Mulheres sofrem mais de Fibromialgia

No Brasil estima-se haver mais de 5 milhões de pessoas que sofrem com a Fibromialgia. E a síndrome atinge a um número bem maior de mulheres do que homens. Cerca de 80% dos pacientes são do sexo feminino.

Esse, aliás, é mais um fator que contribuiu para que, no passado, houvesse um certo preconceito e até descrença em relação aos sintomas e às queixas de pacientes.

Como viemos de uma sociedade originalmente machista, as reclamações das mulheres muitas vezes não eram levadas tão à sério. E acabavam interpretadas como exageros.

Um dos motivos para haver maior propensão das mulheres à Fibromialgia pode estar no fato de que elas produzem menos serotonina. Um importante neurotransmissor, que atua no sono, na produção de hormônios e no processamento da dor.

 Tratamento requer antidepressivos

O mais difícil no tratamento da Fibromialgia é fazer o paciente entender que ele precisará tomar remédios muito utilizados em tratamentos psiquiátricos. Alguns interpretam isso como se houvesse uma desconfiança de que as dores são na verdade de fundo psicológico.

Mas não se trata disso. Como a dor da Fibromialgia não é provocada por lesão ou inflamação. Anti-inflamatórios, corticoides ou analgésicos não são eficazes. Para surtir efeito, o tratamento precisa ser à base de antidepressivos e neuromoduladores. Só assim consegue-se regular os sinais de dor processados no cérebro.

A importância da atividade física

A Fibromialgia não tem cura, mas pode ser controlada. Além dos remédios, uma recomendação obrigatória é a prática de exercícios físicos.

Ao contrário do que se possa imaginar, mesmo com dores, eles não são contraindicados. Pelo contrário. Os exercícios ajudam a combater os sintomas da síndrome e a melhorar a qualidade de vida do paciente.

Você conhece alguém com Fibromialgia?

Se você conhece alguém que possa sofrer de Fibromialgia, compartilhe este artigo com essa pessoa. Ajude a divulgar as causas e soluções para essa síndrome que aflige milhões de brasileiros

Aproveite para deixar um comentário sobre este artigo ou para sugerir um outro tema que você gostaria de encontrar aqui no Caminhos da Saúde.

Tudo sobre a doença de pele que mais afeta pessoas e animais no Brasil: a ESPOROTRICOSE

Se você nunca ouviu falar em Esporotricose, pare tudo e preste bastante atenção neste artigo. A doença de pele já é considerada a micose profunda mais frequente que temos no Brasil. E é justamente por conta do desconhecimento, e por falta de campanhas de prevenção, que ela não para de crescer.

gato em tratamento de Esporotricose

A seguir você irá entender por que os animais de estimação, em especial os gatos, são as maiores vítimas e os principais transmissores da micose. Se não for detectada em seu início ela pode provocar lesões graves e irreversíveis. Conheça os sintomas, tratamentos e veja os cuidados que você deve tomar para evitar a contaminação:

O Fungo da Esporotricose está presente na natureza

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a Esporotricose já pode ser considerada um grave problema de saúde pública no país, merecendo inclusive a classificação de hiperendemia. No Estado do Rio de janeiro, por exemplo, o número de casos oficialmente confirmados  cresceu 400% em 2016 (13.536 atendimentos contra 3.253 no ano anterior).

Conhecida como “A doença do jardineiro”, ela é transmitida pelo fungo da espécie Sporothrix spp, que pode ser encontrado em plantas, no solo, em pedaços de madeira úmida e restos de palha. No Brasil há ainda uma variação específica do fungo: o Sporothrix brasiliensis.

O homem pode contrair a micose ao entrar em contato com o fungo na natureza, seja cuidando de plantas, revolvendo a terra ou ao ferir-se com uma farpa ou matéria orgânica contaminada. Entretanto, a forma mais usual de contágio é a transmissão por contato com animais contaminados, principalmente gatos.

Principais transmissores da Esporotricose

A ciência ainda não sabe explicar por que, entre os animais, os gatos são os mais suscetíveis e principais transmissores da Esporotricose. Mas acredita-se que há uma pré-disposição genética aliada aos hábitos dos pequenos felinos, que costumam remexer a terra e afiar as unhas em árvores.

Na fase inicial da doença, os gatos podem transmitir o fungo por meio de gotículas expelidas na respiração e pela saliva. Mas as formas mais comumente verificadas de contágio são mordidas, arranhões e contato direto com as feridas provocadas pela micose.

Ao contrário dos animais contaminados, que apresentam grande concentração de fungos, no homem a concentração é baixa. Não há relatos de transmissão da Esporotricose de uma pessoa para a outra.

Conheça os sintomas e lesões provocadas pela doença

A Esporotricose pode se manifestar de forma cutânea ou extracutânea (que acomete ossos e órgãos). No homem, a forma mais comum é a primeira, que atinge somente a pele, aparecendo inicialmente como se fosse uma picada de inseto. Normalmente as regiões afetadas são os membros e dedos, devido ao contato com o fungo. O nódulo provoca dor localizada.

Já nos gatos e em outros animais a micose provoca feridas profundas na pele, localizadas principalmente nas patas, que costumam apresentar pus. Essas lesões não cicatrizam sozinhas e tendem a evoluir rapidamente. O focinho também é um alvo comum e pode inclusive ser destruído pela micose. Os animais infectados também espirram com frequência e sofrem de dificuldades respiratórias.

Tipos de lesões cutâneas:

  1. Linfática: É a lesão mais frequente. Surge como um pequeno caroço doloroso, semelhante a uma picada de inseto. Depois evolui para uma ferida com eventual secreção de pus. Outros caroços podem surgir em seu entorno ou formando uma fileira.
  2. Disseminada: Na forma disseminada, as lesões se espalham pelo corpo. É mais frequente em pacientes com baixa no sistema imunológico,  como doentes renais e portadores do vírus HIV.
  3. Localizada: Nesse caso a micose pode aparecer também na boca e nos olhos. O nódulo avermelhado pode ser duro com superfície áspera ou em forma de uma ferida aberta.

Tratamento e dicas de prevenção da Esporotricose:

O diagnóstico da Esporotricose é feito por meio de exame clínico, com confirmação laboratorial. Em geral, a doença não é considerada grave, mas pode levar a quadros severos e até à morte se não tratada. O ideal é procurar um dermatologista, ou um veterinário no caso dos animais, assim que os primeiros sintomas apareçam.

O tratamento é feito à base de antifúngicos, que podem ser conjugados com outras medicações conforme orientação médica. A terapia pode levar meses, dependendo do grau de evolução da doença. Mas se o tratamento não for interrompido, a cura total é atingida em mais de 90% dos casos.

Confira as dicas a seguir:

  • Use luvas e roupas apropriadas ao mexer com terra, plantas e locais que possam estar contaminados com o fungo
  • Se você tem um gato doméstico, evite que ele passeie livremente pela rua. O contato com locais ou outros animais contaminados pode infectá-lo
  • Em caso de suspeita, leve seu animal de estimação a uma clínica veterinária. A maioria delas já sabe como diagnosticar e tratar a Esporotricose.
  • Evite contato direto com gatos que vivem na rua. Mas se notar feridas em algum animal de rua tente levá-lo a um veterinário ou notifique o órgão responsável pelo controle de zoonoses da sua cidade.
  • Se o seu animal de estimação for diagnosticado com Esporotricose, isole-o durante o tratamento e use luvas para manuseá-lo e aplicar os remédios receitados pelo veterinário. Convém também procurar um dermatologista para descartar a sua contaminação e de membros da família que convivem com o animal.
  • Jamais abandone um animal porque ele ficou doente. Lembre-se de que a Esporotricose tem cura e tratamento. Abandonar um animal infectado, além de ser desumano, coloca outras pessoas e animais em risco.
  • Se um animal infectado morrer, não o enterre. O corpo dele pode infectar o solo e contaminar outras pessoas e animais. O mais recomendado é a cremação.

E você? Já conhecia a Esporotricose? Os profissionais de saúde costumam dizer que o maior inimigo da Esporotricose é o desconhecimento da população sobre a doença. Portanto, agora que você já conhece as formas de prevenção, compartilhe este artigo e ajude a combater a doença.

Deixe um comentário abaixo sobre este artigo ou sugira um outro tema sobre o qual você gostaria de ler aqui aqui no Caminhos da Saúde:

Entenda o tratamento e conheça os diferentes métodos do peeling facial

Peeling facial e seus tratamentosQuem não quer ter uma aparência mais jovial, livre de rugas e marcas de expressão no rosto? Esse é o objetivo de 9 entre 10 pessoas que buscam o peeling facial. O tratamento é uma das vedetes da Medicina Estética, mas requer cuidados na escolha do método e em sua execução.

O conceito básico do peeling é remover as células mortas da pele a fim de acelerar o processo de renovação do tecido. A técnica evoluiu tanto nos últimos anos que hoje existem dezenas de métodos disponíveis no mercado. Entenda, a seguir, como o peeling atua no rejuvenescimento facial e conheça suas diferentes aplicações:

O peeling e seus graus de intensidade:

O nome da técnica tem origem no verbo “to peel”, que em inglês significa descascar. Todos os tipos de peeling obedecem ao mesmo princípio de abrir caminho para o surgimento de uma nova pele, mais viçosa e livre de células mortas. Mas, de acordo com a intensidade que essa renovação celular é estimulada, os métodos são classificados em três grandes grupos:

Peeling Superficial:

Tratamentos, em geral indolores, que atuam na camada mais externa da pele. Indicados para suavizar manchas claras e retirar o excesso de oleosidade da pele. Promove uma descamação leve e a pele se recupera rapidamente. Podem ser realizados tanto por esteticistas como por médicos.

Peeling Médio:

Indicado para quem quer tratar manchas mais intensas e suavizar marcas de expressão. Atinge camadas mais profundas da pele do que as tratadas no tratamento superficial. Pode ser necessário o emprego de anestesia, conforme a tolerância à dor de cada paciente.

A descamação é mais intensa e podem se formar cascas na pele durante o período de cicatrização. O paciente precisa evitar exposição ao sol por um período de 15 a 30 dias após o procedimento. Requer acompanhamento médico especializado.

Peeling Profundo:

Tratamento mais agressivo, que utiliza ácidos ou laser de CO2 para atingir os tecidos cutâneos. Sua ação mais profunda estimula a produção de colágeno e promove um rejuvenescimento celular mais intenso. Indicado para tratamento de cicatrizes, flacidez mediana, manchas resistentes e rugas mais profundas.

É necessário o uso de anestesia e o processo de cicatrização leva em média 20 dias, com descamação da pele e formação de crostas. O paciente deve evitar exposição ao sol por um período de até dois meses e, depois todo o processo, precisa ser acompanhado por um médico especialista.

Conheça os principais tipos de peeling:

Os tipos de procedimentos podem ser divididos em quatro categorias principais: físicos, químicos, enzimáticos e a laser. Entenda abaixo a diferença entre eles:

Peeling Físico:

Também conhecido como mecânico ou dermoabrasivo, utiliza aparelhos ou técnicas de esfoliação manual para promover lixamentos, em geral, superficiais na pele. Atua de forma rápida na retirada de células mortas na camada mais superficial da pele, devolvendo o brilho e um aspecto mais jovial. Entre as técnicas mais conhecidas estão a esfoliação de cristal e a de diamante:

  • O peeling de cristal utiliza uma haste dupla para esfoliar a pele com a aplicação de microcristais. Enquanto uma das hastes aplica as partículas na pele, a outra suga de volta o excesso retirando também as células mortas.
  • O peeling de diamante é feito com um aparelho que lembra uma caneta, que traz uma lixa na ponta. É um pouco mais agressivo do que o de cristal e indicado para pessoas com peles mais maduras, mais agredidas pelo tempo.

Peeling Químico:

O peeling químico combina ácidos e outros agentes químicos para promover a esfoliação da pele. Pode ser superficial, médio ou profundo. A aplicação costuma ser feita com pincéis e cada ácido tem uma função específica. Confira abaixo alguns dos ácidos mais frequentes e suas aplicações:

  • Ácidos glicólico e retinoico:  mais voltados para o rejuvenescimento e tratamento de manchas de acne.
  • Ácido salicílico: ataca a oleosidade da pele ajudando no tratamento de acne. Ameniza rugas finas e manchas claras.
  • Ácido tricloracético (ATA): atua no tratamento de rugas e cicatrizes. Normalmente empregado em combinação com outros ácidos.
  • Fenol: substância mais agressiva, usada no peeling profundo. Combate o envelhecimento da pele amenizando as rugas mais profundas.

Peeling Enzimático:

Conhecido também como biológico, o peeling enzimático é uma esfoliação realizada com a aplicação de enzimas naturais extraídas de frutas como mamão, romã e abacaxi. Normalmente empregados em procedimentos superficiais sem contraindicações.

Peeling a laser:

O peeling com laser de CO2 fracionado é utilizado em procedimentos médios e profundos. Consiste na aplicação de feixes de luz que geram lesões na pele para promover sua renovação e estimular a produção de colágeno. Além de remover manchas e suavizar rugas, combate a flacidez da pele.

Consulte um médico antes de fazer o procedimento

As técnicas de peeling destroem camadas de pele e promovem uma espécie de inflamação cutânea controlada. Portanto, antes de definir que método utilizar, o ideal é investigar qual o mais adequado para o seu objetivo, condições de saúde e tipo de pele.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia indica que todo paciente seja avaliado por um médico especialista, antes de se submeter a um peeling. Muitos procedimentos demandam exames prévios e cuidados após a aplicação. E há restrições que devem sempre ser consideradas.

E você? Já fez ou pretende fazer algum peeling? Deixe um comentário abaixo ou sugira um tema que você gostaria de ver abordado aqui no Caminhos da Saúde .

Limpeza de pele caseira: você está fazendo certo?

Um dos tratamentos mais procurados nas clínicas de estética, sem dúvida alguma, é a limpeza de pele. Com o intuito da remoção das impurezas, a limpeza de pele é capaz de proporcionar vários benefícios em favor de uma pele rejuvenescida e bem cuidada. E para a obtenção desses resultados, a limpeza de pele caseira entra como uma opção perfeita para quem está em busca de praticidade e baixo custo.

Neste artigo, nós vamos falar tudo o que você precisa saber sobre a limpeza de pele caseira, bem como o passo a passo para você começar a fazer hoje mesmo.

Por que fazer uma limpeza de pele

Não é apenas uma questão de estética, mas a limpeza de pele é um cuidado com a nossa pele que todos devemos ter. Assim, através de uma boa limpeza de pele é possível mantermos uma pele sempre saudável e rejuvenescida, e principalmente hidratada.

No entanto, a falta desse tipo de tratamento faz com que nossa pele perca sua vitalidade muito rapidamente, além de produzir manchas ao longo do tempo. Além disso, ela acaba demonstrando sinais de envelhecimento em uma pele ressecada e sem vida, e é claro que não é isso o que nós queremos. Mas, será que você está fazendo esse procedimento da forma correta?

Limpeza de pele caseira ou em clínica de estética?

limpeza de pele caseira

Na hora de fazer qualquer tipo de procedimento estético, é muito comum surgir a dúvida entre fazê-lo em casa ou em uma clínica especializada. Embora existam algumas diferenças pontuais, é certo que ambas as formas de tratamento podem produzir ótimos resultados.

E se você tem dúvidas sobre fazer uma limpeza de pele caseira ou em uma clínica de estética, confira a seguir a diferença básica entre essas duas opções de tratamento e qual escolher.

 Limpeza de pele caseira

Trata-se de um processo que pode ser feito com uma periodicidade maior do que nas clínicas de estética. Para esse tipo de procedimento, a escolha dos produtos utilizados é determinante para alcançar os melhores resultados.

Limpeza de pele na clínica estética

Embora as técnicas variem de clínica para clínica, as etapas básicas são:

  • Assepsia – Higienização feita com loções desengordurantes.
  • Esfoliação – Procedimento feito para retirar a camada mais fina e superficial da pele, bem como a eliminação das células mortas.
  • Remoção de cravos e miliuns – Através de aparelhos específicos, a pele passa por um processo de abertura dos poros que facilita a remoção dos cravos, sejam eles abertos ou fechados. Através do uso de uma agulha os miliuns também são retirados. Trata-se de um processo manual que demanda um tempo maior de execução.
  • Cicatrização – Através de aparelhos de alta frequência este procedimento visa a cicatrização dos pontos da pele que possam apresentar micro lesões. Essa etapa evita a proliferação de fungos e bactérias presentes na pele.
  • Massagens e compressas – Movimentos de massagem e compressas com finalidade relaxante e terapêutica.
  • Finalização – Aplicação de máscaras com a função de acalmar a pele.

Periodicidade: Esse procedimento pode ser feito uma vez por mês nos casos de peles mistas e oleosas. Já quem tem a pele seca, poderá fazê-lo a cada 2 meses.

Como fazer uma limpeza de pele caseira

A limpeza de pele tem três funções básicas: limpar, tonificar e hidratar. Assim sendo, nós vamos ensinar você como fazer sua limpeza de pele caseira diária e também a limpeza de pele profunda, que pode ser feita uma vez por semana.

Mas lembre-se de que, embora os resultados da limpeza de pele caseira sejam muito eficazes, ela não substitui uma boa limpeza de pele feita em uma clínica especializada.

 Limpeza diária – manhã e noite

Este é um cuidado que você deve ter todos os dias com sua pele, e deve ser feita de manhã e à noite.

Manhã: Lave o seu rosto, preferencialmente, com um sabonete neutro. Em seguida, aplique um tônico e passe hidratante com filtro solar.

Noite: Lave seu rosto com um sabonete neutro, passando um demaquilante em seguida. Depois disso, passe um creme hidratante para a noite.

Limpeza profunda – uma vez por semana

Existem tratamentos estéticos caseiros que podem realmente fazer maravilhas por sua pele. Veja a seguir o nosso passo a passo que preparamos para você.

Passo 1
Limpeza

Essa é a primeira etapa do processo, e deve ser feita a fim de remover a oleosidade e impurezas da pele. Você pode optar por produtos (sabonetes ou loções) com ação desintoxicante e antioxidante, como é o caso dos produtos com chá verde ou aloe vera em sua composição, por exemplo.

Dica: Você sabia que o leite é o limpador natural mais eficaz da natureza? Experimente misturar 5 colheres de sopa de leite frio com 1 pitada de sal para limpar a sua pele com o auxílio de um algodão.

Passo 2
Abertura dos poros

Na falta de aparelhos estéticos com vapor para abrir os poros, você pode fazer um procedimento caseiro que funciona muito bem. Encha uma bacia com água quente. Em seguinte, coloque seu rosto próximo a essa bacia, deixando que o vapor da água passe pelo seu rosto. É importante você cobrir a cabeça com uma toalha, de forma que o vapor não possa sair – semelhante à inalação caseira. Deixe o vapor agir por cerca de 2 a 3 minutos.

Passo 3
Esfoliação

Com o auxílio de um creme esfoliante, faça movimentos suaves e circulares por todo o seu rosto e pescoço. Depois disso, enxague com água morna. Esse processo irá ajudar a remover todas as células mortas.

Dica: A aveia é um excelente esfoliante natural. Ele também funciona como um adstringente suave e estimula a produção de colágeno na pele. Faça uma mistura com 1 colher de sopa de leite, 1 colher de sopa de aveia e algumas gotas de mel. Aplique na pele em movimentos circulares.

Passo 4
Máscara de tratamento

Agora que você está com os poros abertos para receber o creme de tratamento, aplique uma máscara de sua escolha e que seja indicada para o seu tipo de pele. Você pode comprar uma máscara de tratamento na perfumaria ou optar por alguma solução caseira. Deixe agir por 10 a 15 minutos e enxague em seguida.

Dica: Experimente bater 1 pepino com algumas colheres de iogurte e mel. Essa máscara caseira possui ação antibacteriana e ainda ajuda a diminuir as manchas da pele.

limpeza de pele caseira

Passo 5
Tonificação

Com o auxílio de um algodão, aplique um tônico sobre toda a sua pele, a fim de fechar os poros.

Dica: Você sabia que o vinagre de maçã é um excelente tônico natural? Melhor ainda se for orgânico, que mantém todas as suas vitaminas e minerais.

Passo 6
Hidratação

Por fim, finalize a sua limpeza com um bom hidratante com filtro solar.

Dica: Faça uma mistura com pomada bepantol, hipolglós e algumas gotas das vitaminas A e E e use como hidratante.

Quando não fazer a limpeza de pele

Evite fazer a limpeza de pele quando existe excesso de espinhas inflamadas, principalmente com aparência amarelada. Antes de fazer uma limpeza de pele, é importante que você procure um dermatologista para que ele possa indicar o melhor procedimento.

E então, gostou de nossas dicas para fazer uma boa limpeza de pele caseira? Pois se esse artigo foi útil para você, não deixe de compartilhá-lo com seus amigos nas redes sociais. Assine também a nossa lista de e-mail e receba em primeira mão as nossas dicas e artigos.

A cirurgia de mamoplastia traz riscos aos pacientes?

Essa é uma boa pergunta para se fazer, parar e pensar antes de sair correndo para o endereço da primeira placa que se vê na rua, com publicidade sobre os preços mais baixos na sua região e com formas de pagamento que cabem no seu bolso como uma luva.

Tudo bem que a ideia não é má, principalmente para quem quer muito fazer uma mamoplastia, ao contrário, soa como um convite para o sonho de ter os seios como sempre quis, pagando uma bagatela.

Longe de querer adentrar em termos técnicos, até porque isso cabe aos profissionais de saúde, principalmente, aos especialistas que possuem os devidos conhecimentos para avaliar o que está certo ou errado, porém esse é um tipo de assunto que nunca é demais debater, ainda mais se tratando de uma questão de cuidados com a saúde, uma prioridade na vida de todos.

Para falar sobre os riscos de fazer uma cirurgia de mamoplastia, é preciso entender que todos os procedimentos cirúrgicos, sejam eles pequenos, médios ou grandes, sempre envolvem riscos, por menor que seja.

Por isso, sem querer exagerar, é fundamental que o profissional seja licenciado para realizar qualquer procedimento com segurança. Não se pode confiar em curiosos ou nas propagandas que nada têm a ver com a realidade.

Voltando ao foco principal, que é a mamoplastia, vamos nos basear na cirurgia de redução de mamas, ideal para quem tem seios muito fartos e a condição esteja prejudicando a postura e causando problemas para a coluna.

Dentre os possíveis riscos da mamoplastia destacam-se:

  • Possível redução na sensibilidade do mamilo, que também pode ocorrer na mama;
  • A descoloração na pigmentação da pele;
  • Necessidade de uma nova cirurgia para reparar algo inesperado que possa ocorrer na estética da mama;
  • Acúmulo de líquido;
  • Dificuldades no processo de cicatrização, entre outros riscos.

A melhor maneira de reduzir esses riscos é buscar uma clínica respeitada, pautada na ética e onde o profissional responsável seja um médico cirurgião plástico experiente, registrado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Os riscos sempre existem, mas podem ser reduzidos quando o procedimento é realizado por um profissional competente e comprometido com os resultados e com o bem estar do paciente.

Cuidados após uma cirurgia estética

Cuidados após uma cirurgia estéticaVocê sabia que após qualquer cirurgia estética é necessário ter alguns cuidados essenciais para garantir a boa cicatrização da cútis e o efeito desejado?

A rinoplastia, lipoaspiração, abdominoplastia, aumento ou redução dos seios, dentre outras cirurgias. Alguns cuidados podem variar de acordo com a intervenção realizada, mas a maioria deles se aplica em quase todos os procedimentos cirúrgicos.

Confira a seguir os 6 principais cuidados pós cirúrgicos que devem ser seguidos a risca:

1) Repouso:

O repouso é o cuidado primordial após a realização de qualquer cirurgia. Repouse numa posição confortável e adequada, de acordo com a recomendação do especialista.

2) Não deixar de beber água:

Todo mundo sabe que é recomendado beber diariamente a quantia de 2 a 2,5litros de água. Após a realização de uma cirurgia estética, esta regra deve ser seguida mais do que nunca, para manter a pele e corpo hidratados.

3) Fazer alimentações leves:

Alguns alimentos devem ser cortados durante um período de tempo, para que não corra risco de sangramentos e complicações. Passe longe de comidas gordurosas e opte por alimentos grelhados e frutas.

4) Evitar a prática de exercícios físicos na primeira semana:

Esta dica é de extrema importância, especialmente para procedimentos estéticos onde existem pontos ou grampos. A prática de exercícios pode fazer com que eles se rompam.

5) Evite medicamentos e anticoncepcionais:

Antes de tomar qualquer medicamento que não faça parte da lista de remédios indicados pelo médico para auxiliar na recuperação da cirurgia; consulte o especialista. O uso de outros remédios não indicados pode comprometer na recuperação da intervenção estética. Já o anticoncepcional deve ser evitado pelos primeiros 14 dias após a cirurgia, pois há o risco de trombose.

6) Fuja do sol:

Algumas cirurgias ou tratamentos estéticos exigem que o paciente evite o sol por alguns dias, em alguns o período de tempo pode se prolongar por mais de um mês. A exposição ao sol pode ocasionar manchas e aumento do inchaço.

Se precaver para evitar as complicações posteriores à cirurgia estética é fundamental, pois todos nós estamos sujeitos a elas. Por isso, os cuidados são primordiais. E se ainda assim, surgir alguma infecção, mancha, hematoma ou rompimento de pontos; consulte o especialista.