• Publicidade

Lúpus: doença em que o paciente é atacado por seus próprios anticorpos

Lúpus Eritematoso SistêmicoImagine-se em um animado passeio de barco com dezenas de amigos, no meio do oceano. Até que, sem qualquer explicação, eles se voltam contra você em uma espécie de surto coletivo e tentam te jogar em alto mar. A analogia serve para explicar o que acontece com o sistema imunológico de quem tem Lúpus.

Considerada uma das doenças autoimunes mais frequentes, o Lúpus pode ser comparado a uma espécie de motim dos anticorpos de uma pessoa contra o seu próprio organismo. A doença se manifesta quando as células que deveriam atuar na defesa contra vírus, bactérias e outras ameaças externas passam a atacar a pele, o sangue e os órgãos saudáveis do paciente.

Neste artigo você irá conhecer mais sobre o Lúpus, seus sintomas e tratamentos:

Lúpus é mais frequente em mulheres

Também conhecido em sua forma clássica como Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), o Lúpus é uma doença crônica, não contagiosa, que afeta majoritariamente as mulheres adultas. Estima-se que de cada 10 pacientes nove são do sexo feminino.

As causas da doença ainda são desconhecidas pela Medicina, mas acredita-se que a maior incidência de mulheres esteja diretamente ligada à produção do estrógeno. O hormônio feminino, produzido em larga escala durante a idade reprodutiva, enfraquece o sistema imunológico.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, uma a cada 1700 mulheres no Brasil tem Lúpus. No país, já são mais de 65 mil pacientes com a doença.

Como o Lúpus se manifesta

A extensa gama de sintomas que o paciente de Lúpus apresenta é um fator que dificulta o seu diagnóstico. A doença é progressiva, intercala períodos de atividade com fases de latência, e pode ser facilmente confundida com outras enfermidades.

Muitos pacientes se descobrem com Lúpus após apresentarem sintomas como febre baixa persistente, dores articulares, cansaço, tosse seca, perda de apetite, emagrecimento repentino e até perda de cabelo.

Para fechar o diagnóstico com segurança, o médico precisa eliminar hipóteses e combinar a anamnese clínica com alguns exames laboratoriais. Um sintoma clássico do Lúpus é o aparecimento de manchas em forma de asa de borboleta, principalmente sobre as bochechas e nariz. Mas nem todos os pacientes apresentam manchas.

Conheça os sintomas mais frequentes:

Manchas na pele:

  • Cerca de 80% dos pacientes apresentam manchas na pele. A mancha mais clássica da doença tem a forma de asa de borboleta e toma as bochechas e nariz, como mostra a foto deste artigo.
  • Outras manchas podem surgir pelo corpo provocadas por uma sensibilidade extrema à claridade e à luz solar.

Dor articular intermitente:

  • Podem ocorrer dores, inchaços e até inflamações como tendinites que vão e voltam, principalmente nas articulações da mãos, punhos, joelhos e pés.

Tosse seca e falta de ar:

  • O Lúpus pode provocar tosse seca, falta de ar e até palpitações e dores no peito. Isso ocorre quando os anticorpos atacam as membranas que revestem o coração e o pulmão provocando inflamações como a pericardite e pleurísia.

Anemia:

  • Quando há o ataque de anticorpos às hemácias, no sangue, é comum ocorrer diminuição de glóbulos vermelhos com consequente anemia. Nesse caso o paciente de Lúpus pode apresentar palidez e cansaço além do normal.
  • O comprometimento do sangue também pode provocar queda de plaquetas e dos glóbulos brancos.

Inflamação renal:

  • Essa é uma das manifestações do Lúpus que mais preocupam os médicos. Estima-se que metade dos pacientes apresentem algum grau de comprometimento renal, muitas vezes só detectado por meio de exames laboratoriais. Se não tratada, a infecção pode evoluir para quadros mais graves de insuficiência renal.

Alterações de humor:

  • Tidos como sintomas menos comuns. Ocorrem quando o Sistema Nervoso Central é atacado, podendo haver alterações de humor, convulsões e psicoses e depressões.

Tratamento de Lúpus busca remissão da doença

A ciência ainda não descobriu uma cura para o Lúpus e nem conseguiu explicar o que provoca a doença. Acredita-se que ela possa ser de origem genética. Assim, a pessoa que já tenha uma predisposição acaba tendo sua atividade deflagrada a partir de fatores ambientais, hormonais, e até por reações a alguma outra doença ou ao uso de medicamentos.

Apesar de não haver uma cura, os avanços já permitem um controle monitorado da doença por meio de corticoides e imunossupressores, que são administrados em maior ou menor dose dependendo da fase em que a doença se apresenta.

O desafio é detectar de forma precoce quando um novo ciclo de atividade se inicia, para controlá-lo antes que ele evolua para quadros infecciosos mais graves. O tratamento busca manter a doença em fase de remissão, que é quando os sintomas não se manifestam e se procura reduzir a dosagem de remédios.

Cuidados básicos para quem tem Lúpus:

  1. Proteção solar – Pacientes de Lúpus devem usar protetor solar e evitar exposição ao sol e raios ultravioleta, mesmo em dias nublados. Essa exposição pode deflagrar um novo ciclo ativo da doença, provocando inclusive inflamações em órgãos internos.
  2. Anticoncepcionais – Às pacientes, recomenda-se não utilizar pílulas anticoncepcionais com estrógeno, que podem provocar a depressão do sistema imunológico
  3. Atividade física e alimentação – Ter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física é fundamental para qualquer um. Mais ainda para quem tem Lúpus. Ajuda a diminuir o cansaço do paciente e evita o colesterol alto no sangue.

Avanços em tratamentos e campanhas

Hoje, pacientes de Lúpus já conseguem ter uma rotina praticamente normal, com expectativa de vida semelhante ao resto da população. As pesquisas avançam no desenvolvimento de imunobiológicos que atuam em partes específicas. Por outro lado, os tratamentos já não adotam o uso de cortisona em doses tão altas quanto antes. Com isso, os pacientes têm muito menos riscos de efeitos colaterais como catarata, osteoporose e diabetes.

Como a doença é silenciosa, tem sido também cada vez mais comum o lançamento de campanhas de esclarecimento, contando inclusive com a participação de famosos que sofrem de Lúpus. As cantoras Lady Gaga, Selena Gomes e, no Brasil, a apresentadora Astrid Fontenelle estão entre as que se já declararam publicamente como pacientes do Lúpus.

Este artigo foi útil para você? Compartilhe, deixe um comentário abaixo ou uma sugestão de outro tema que você gostaria de encontrar aqui no Caminhos da Saúde.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Publicidade