• Publicidade

Veja a importância da glutamina: um dos aminoácidos não essenciais

glutaminaA glutamina está classificada na categoria de aminoácidos não essenciais, ou seja, dos aminoácidos que são produzidos naturalmente pelo nosso organismo através do próprio metabolismo, a partir do ácido glutâmico, da valina e da isoleucina.

Trata-se de uma das proteínas mais abundantes no corpo humano, possuindo diversas funções importantes, sendo fonte de energia para o sistema imunológico e participando diretamente no crescimento da massa muscular, através da estimulação da síntese de proteínas.

Além disso, a glutamina também é de importância vital para o funcionamento correto de órgãos como os pulmões, o coração, os rins, o fígado e o intestino, representando pelo menos 20% do total de aminoácidos livres no plasma sanguíneo.

Ainda nos servimos da glutamina também para fazer o transporte de amônia pela nossa corrente sanguínea, o que mostra sua importância para nosso organismo. Como esse aminoácido é fonte de energia primária para o sistema imunológico, ele também é essencial para que não tenhamos qualquer risco de contrair doenças.

No intestino, a glutamina também é necessária para a absorção e proliferação de células, prevenindo a deterioração das paredes intestinais, mantendo sua integridade.

Glutamina para atletas de alta intensidade

A glutamina também é importante para atletas de atividades de alta intensidade, os praticantes de musculação, para a recuperação após os treinos, evitando o catabolismo e o estresse após a atividade física, uma vez que a demanda desse aminoácido pelos músculos é muito maior nesses momentos e o corpo é incapaz de produzir nos níveis necessários.

Nos atletas que praticam musculação, esse aminoácido é importante para evitar a síndrome do overtraining, a conhecida OTS, a situação que ocorre depois de um período de treinamento intenso, com pouco descanso. A OTS reduz a capacidade do sistema imunológico, deixando o corpo aberto a possíveis infecções. Sem alimentação adequada e descanso suficiente, a glutamina fica em baixa constante, causada pela OTS.

Além de sua necessidade orgânica, a glutamina também é importante para a síntese de proteínas nos músculos, poupando tempo ao tecido muscular, que é catabolizado para prover glutamina a outras células do corpo. A presença da glutamina, em virtude disso, permite que o tecido muscular se recupere, aumentando a força e resistência, reduzindo o tempo de recuperação. Os estudos e pesquisas também mostraram que a glutamina eleva os níveis do hormônio do crescimento.

Desta maneira, atletas que tenham treinamento intenso, precisam consumir a glutamina em pó, na forma de suplemento alimentar, evitando que seu organismo entre em situações de OTS, protegendo o sistema imune contra possíveis doenças causadas por vírus e bactérias.

A suplementação deve ser indicada, preferencialmente, por um nutricionista, que deverá fazer algumas avaliações e determinar a quantidade e a frequência em que a glutamina deve ser consumida pelo atleta.

Tomando esse aminoácido corretamente

Os atletas que praticam esportes e treinos mais intensos devem consumir a glutamina em pó no pós-treino e também antes de dormir. O suplemento pode ser consumido com frutas e carboidratos simples, já que a elevação da glicose no sangue faz com que a glutamina entre mais rapidamente nas células. A quantidade mínima de consumo da glutamina está entre 10 a 15 gramas, sendo que essa quantidade pode ser dividida em 3 vezes durante o dia.

A glutamina pode ser encontrada em suplementos individuais, com concentração maior, além de outros suplementos, como complemento da sua composição.

Efeitos colaterais da glutamina

A maior parte dos estudos e pesquisas realizados sobre a glutamina demonstra que a substância, quando ingerida da forma correta, não apresenta nenhum risco de efeitos colaterais, mesmo que o período seja de maior duração. O uso apenas não é recomendado para diabéticos, que precisam ter o controle e a orientação médica adequada. Isso porque está comprovado que a glutamina age de maneira anormal, sendo metabolizada rapidamente pelos diabéticos e provocando o aumento da glicose no sangue, o que é prejudicial para quem é portador de diabetes.

Em outros casos, no entanto, a glutamina não apresentou nenhum efeito colateral. Isso, no entanto, não elimina a necessidade de o atleta buscar aconselhamento e orientação de um nutricionista para o consumo desse suplemento. Vale lembrar que, principalmente para um atleta, a manutenção da saúde é o fator mais importante e negligenciar esse fator é não respeitar o próprio treinamento.

Sobre Galdino

Paixão por saúde e qualidade de vida. Desde 2013 buscando informações sobre a melhor maneira de se viver com mais saúde e melhor qualidade de vida. Mantenho alguns blogs com o objetivo principal de passar adiante as informações e o conhecimento que tenho adquirido ao longo desse tempo. Durante esses anos tenho "corrido" atrás de conteúdos relevantes que, de alguma forma possa me ajudar e ajudar outras pessoas a viver com mais qualidade de vida.
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Publicidade