• Publicidade

Chikungunya: Sintomas, tratamentos e tudo o que você precisa saber

chikungunyaObservado pela primeira vez em 1952 durante um surto no sul da Tanzânia, a Chikungunya é uma doença viral transmitida pelo mesmo mosquito responsável pela transmissão do vírus da dengue, o Aedes aegypti.

No momento, ainda não há uma vacina para sua prevenção assim como não há um tratamento antiviral considerado eficaz. No entanto, a Chikungunya é uma doença de curso limitado, raramente fatal.

Transmissão

O vírus da Chikungunya é transmitido pela picada de mosquitos fêmeas infectados pelo mesmo. Os mosquitos são mais ativos durante o início da manhã e final da tarde, mas podem picar a qualquer momento. O período de incubação pode variar entre 2 a 12 dias, mas os sintomas iniciais geralmente aparecem de 2 a 7 dias após a picada do mosquito infectado.

Sintomas

Os sintomas da Chikungunya normalmente possuem curta duração, mas podem se prolongar por períodos maiores em casos específicos. Por essa razão, o vírus pode ser classificado como agudo ou crônico. Os sinais e sintomas da Chikungunya incluem:

  • Febre;
  • Dor nas articulações (Artralgia);
  • Dor muscular (Mialgia);
  • Dor de cabeça;
  • Náusea;
  • Fadiga;
  • Erupções cutâneas.

A maioria das pessoas que contraem a doença apresentam melhoras em cerca de sete dias, mas em alguns indivíduos as dores nas articulações podem durar meses. Em casos raros, a Chikungunya pode levar a outras complicações, tais como:

  • Problemas oculares;
  • Inflamação do coração;
  • Inflamação do fígado;
  • Inflamações na pele;
  • Inflamação dos rins;
  • Inflamações nos nervos.

Os recém-nascidos e os idosos (mais de 65 anos) têm mais chances de apresentarem essas complicações, especialmente se os mesmos estiverem manifestando outros problemas médicos. A morte causada pela Chikungunya é algo raro, mas ocorre principalmente em idosos.

Diagnóstico

Para diagnosticar o vírus da Chikungunya será necessário uma análise clínica juntamente de alguns exames de sangue. Os anticorpos encontrados no sangue irão distinguir a Chikungunya de seus parentes mais próximos, a dengue e o Zika vírus. Entre os testes e exames estão:

  • Eletrólitos (avaliação hidroeletrolítica do organismo);
  • Contagem das plaquetas;
  • Testes de coagulação;
  • Teste do torniquete (determina a fragilidade dosvasos capilares);
  • Raio-X do tórax;
  • Hematócritos (contagem de glóbulos vermelhos).

Tratamento

Como ainda não há um medicamento específico para o tratamento da Chikungunya, é importante que as pessoas que foram infectadas bebam ao mínimo 2 litros de água por dia, além de se manterem em repouso enquanto o organismo luta contra essa infecção viral.

Para muitos pacientes, as dores nas articulações é o sintoma mais agressivo, precisando de atenção específica no tratamento da Chikungunya. Na maioria das vezes, os medicamentos analgésicos são capazes de oferecer o alívio adequado. Anti-inflamatórios como a “aspirina” e o “ibufreno” são capazes de oferecer uma melhora significativa das dores, embora outros medicamentos a exemplo do “paracetamol” também podem ser eficazes.

Como prevenir a Chikungunya

Ainda não há uma vacina para prevenir o vírus da Chikungunya, portanto, o fator mais importante relacionado a sua prevenção é se distanciar dos locais de reprodução dos mosquitos. Do mesmo modo, você deve tomar os devidos cuidados para que sua casa não se torne um desses locais.

Por essas razões, é fundamental evitar as áreas de retenção de água parada, já que as larvas do mosquito nascem e se criam nessas condições. Na sua casa, tenha muita atenção com os recipientes que possam ter um acúmulo de água. Coloque areia nos vasos de flores, a areia mantém a umidade que as plantas precisam evitando que o prato na base do vaso se torne um local de reprodução para os mosquitos.

Calhas, canos e principalmente as caixas d’água devem ser averiguadas frequentemente, pois são locais ideias para o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti. Além disso, inseticidas podem ser usados para eliminar os mosquitos.

Recomenda-se também o uso de roupas que evitem a exposição da pele, principalmente em locais onde já houve registros da doença. Repelentes podem oferecer alguma proteção, embora uma cobertura física como um mosquiteiro durante o sono ou telas nas janelas são mais eficazes.

O artigo foi útil para você? Comente, curta ou compartilhe.

Sobre Galdino

Paixão por saúde e qualidade de vida.

Desde 2013 buscando informações sobre a melhor maneira de se viver com mais saúde e melhor qualidade de vida. Mantenho alguns blogs com o objetivo principal de passar adiante as informações e o conhecimento que tenho adquirido ao longo desse tempo.

Durante esses anos tenho “corrido” atrás de conteúdos relevantes que, de alguma forma possa me ajudar e ajudar outras pessoas a viver com mais qualidade de vida.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Publicidade